A empresa indiana Essar incluiu hoje a construção de um novo terminal de carvão no centro de Moçambique na sua carteira de negócios, orçada em 500 milhões de dólares (417 milhões de euros), para os próximos 30 anos.

Citando fontes da companha indiana, a Agência de Informação de Moçambique (AIM) refere que, além do novo terminal de carvão em Sofala, a Essar pretende investir a verba na expansão da capacidade de tráfego portuário em Hazzira e Salaya, Índia.

Em agosto, a Essar assinou um acordo de concessão com o Governo moçambicano para a construção do referido terminal de carvão, no Porto da Beira, província de Sofala, válido por 30 anos.

Na altura, a companhia indiana informou que o empreendimento será implementado no modelo de “desenho, construção, propriedade, operação e transferência (DBOOT), através da subsidiária New Coal Terminal Beira, SA (NCTB SA)”.

A subsidiária é um consórcio liderado pela Essar, com 70%, e pela companhia pública Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM), com 30%.

O futuro terminal da Essar terá capacidade para escoar 20 milhões de toneladas por ano, manuseando 10 milhões de toneladas, numa primeira fase, para depois duplicar o volume, na segunda fase.

No ano passado, a companhia brasileira Vale, que tem a maior concessão de carvão em Moçambique, inaugurou o seu terminal de carvão no Porto de Nacala, província de Nampula, com capacidade atual para o escoamento de 18 milhões de toneladas.

O empreendimento da Vale inclui uma linha férrea de mais de 900 quilómetros.

Fonte: Lusa

 

Anúncios