Filipe_nyusi_discursa

A Presidência da República de Moçambique anunciou hoje, em comunicado, que há progressos nas negociações de paz entre o Governo e a Renamo, principal partido da oposição, com vista ao estabelecimento de um acordo.

A posição foi divulgada depois de uma conversa entre o chefe de Estado, Filipe Nyusi, e o líder da Renamo, Afonso Dhlakama.

“Durante a interação, o chefe de Estado moçambicano e o presidente da Renamo debruçaram-se sobre os progressos no processo de paz e constataram, com agrado, que se registam avanços rumo ao consenso mútuo e finalização do conteúdo dos documentos a acordar”, é referido num comunicado divulgado após o evento.

Filipe Nyusi deslocou-se hoje ao acampamento de Chitengo, no Parque Nacional da Gorongosa, onde se encontra refugiado, para se encontrar com o presidente da Renamo, mas os dois não estiveram frente a frente.

“Por motivos organizacionais, o encontro teve de realizar-se de forma indireta, tendo o Presidente da República indigitado o Comandante Geral da Polícia como seu enviado” até ao local onde estava Dhlakama, explica-se no comunicado.

Filipe Nyusi dialogou com o líder da oposição “por meio de teleconferência que decorreu num ambiente de cordialidade”, acrescenta.

O documento não esclarece quais os motivos que fizeram com que a conversa decorresse à distância.

“As propostas sobre o processo de descentralização, desarmamento, desmobilização e reintegração (DDR) deverão ser apresentadas à Assembleia da República para debate”, refere a Presidência da República.

Ainda segundo o comunicado, “os dois dirigentes reafirmaram o seu compromisso, inequívoco, para com a paz em Moçambique e auguraram um futuro radiante para todos os moçambicanos”.

Depois de uma escalada no conflito militar no centro do país em 2015 e 2016, um cessar-fogo foi decretado por Dhlakama em dezembro e as relações entre o líder da Renamo e o Presidente de Moçambique melhoraram.

As negociações para um novo acordo de paz ficaram marcadas por um aperto de mãos entre ambos a 06 de agosto, quando Filipe Nyusi se deslocou à Serra da Gorongosa para um encontro de cerca de duas horas com Afonso Dhlakama.

Fonte: Lusa

Anúncios