Celso_correia

Celso Correia, Ministro da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural/Foto de Ferhat Momade

O Governo moçambicano afirmou hoje que o plano de reassentamento no distrito de Palma, província de Cabo Delgado, norte do país, que vai dar lugar às infraestruturas de produção de gás natural, será o melhor na história do país.

As garantias do executivo moçambicano sobre o plano de reassentamento da população no distrito de Palma foram dadas hoje, na Assembleia da República, pelo ministro da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural, Celso Correia, em resposta a perguntas do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceiro maior partido.

“Estamos a fazer tudo para que o plano de reassentamento seja o melhor que o país já teve”, disse Celso Correia, referindo-se à criação de condições de vida para as populações que serão retiradas da zona onde as multinacionais italiana Eni e americana Anadaro vão produzir gás natural.

A dignidade humana, prosseguiu, está no centro das preocupações do Governo em relação ao plano de reassentamento das populações de Palma.

Celso Correia afirmou que foram realizadas mais de 800 consultas públicas com organizações da sociedade civil e comunidades locais, para a elaboração de um plano de reassentamento consentâneo com as necessidades da população.

“Não estamos a tomar partido das empresas, mas a salvaguardar os interesses das populações, tendo em conta as dinâmicas de investimento”, afirmou Celso Correia.

O distrito de Palma vai acolher a base logística das multinacionais Eni e Anadarko, para a produção de Gás Natural Liquefeito (GNL).

Fonte: Lusa

Anúncios