Dan_brown

– O escritor Dan Brown/Foto Christopher Polk

Dan Brown fez uma afirmação controversa nesta quinta-feira. Segundo o escritor, a humanidade não precisa mais de Deus e pode desenvolver uma nova forma de consciência colectiva, com a ajuda da inteligência artificial, que cumpra a função da religião.

A afirmação foi feita na Feira do Livro de Frankfurt, onde o escritor americano está a divulgar o seu novo romance, Origem, o quinto do personagem Robert Langdon, professor de simbologia de Harvard que também protagonizou O Código Da Vinci.

Origem foi inspirado pela pergunta “Será que Deus sobreviverá à ciência?”, disse Brown, acrescentando que isso jamais aconteceu na história da humanidade. “Será que somos ingênuos hoje por acreditar que o Deus do presente sobreviverá e estará aqui em cem anos?”, indagou Brown, de 53 anos, numa conferencia de imprensa lotada.

Transcorrido na Espanha, Origem começa com a chegada de Langdon ao Museu Guggenheim de Bilbao para acompanhar o anúncio de um bilionário futurista recluso que promete “mudar a face da ciência para sempre”. Os acontecimentos logo tomam um rumo inesperado, dando ensejo a um enredo que permite ao autor visitar os sítios históricos do país — inclusive Barcelona, capital da Catalunha, região do nordeste espanhol actualmente em crise devido a uma iniciativa separatista.

Brown, que estudou história da arte em Sevilha, expressou a sua preocupação e a sua simpatia pelos dois lados do impasse político. “Amo a Catalunha. Amo a Espanha. Espero que eles resolvam isso. É uma situação de partir o coração, mas também é um sinal dos tempos”, disse Brown, acrescentando que a crise também reflecte a tensão entre o antigo e o moderno na sociedade.

O escritor, que vendeu 200 milhões de livros em 56 línguas, admitiu que não lê um romance há cinco anos, mas que investigou profundamente e passou muito tempo a conversar com futuristas para criar a trama de Origem. Ele reconheceu que as suas opiniões não serão bem acolhidas pelos clérigos, mas pediu uma harmonia maior entre as grandes religiões e aqueles que não professam nenhuma fé.

“O cristianismo, o judaísmo e o islamismo compartilham um evangelho, liberalmente, e é importante que todos nós o percebamos”, afirmou. “Nossas religiões são muito mais parecidas do que diferentes”. Voltando-se para o futuro, Brown opinou que a mudança tecnológica e o desenvolvimento da inteligência artificial transformarão o conceito do divino.

Fonte: Reuters

Anúncios