Mahamudo_amurane_diploma

A Polícia de Moçambique está a procurar o homem que hoje matou a tiro o presidente do Conselho Municipal de Nampula com base numa descrição clara feita por testemunhas oculares, disse à Lusa o porta-voz daquela força.

“Há indicações claras feitas pelas testemunhas oculares de que os disparos teriam sido feitos por um indivíduo com características devidamente descritas. A polícia está na posse dessas descrições e temos testemunhas importantes, referiu Inácio Dina, porta-voz da Polícia da República de Moçambique (PRM).

O responsável policial disse que serão dados relevantes que “poderão levar à detenção do suspeito”.

Mahamudo Amurane, de 44 anos, membro da comissão política do MDM e presidente do Conselho Municipal de Nampula, quarta maior cidade de Moçambique, foi hoje assassinado a tiro por um desconhecido.

O autarca eleito estava na farmácia que gere no rés-do-chão da sua residência particular quando um homem entrou e disparou.

“Era um jovem alto, tirou a pistola a meio metro do edil e deu-lhe três tiros”, disse à Lusa Saide Ali, vereador que estava junto ao presidente do Conselho Municipal no momento em que foi alvejado, acabando por sucumbir aos ferimentos no Hospital Central de Nampula

Amurane participou durante a manhã nas cerimónias de celebração do Dia da Paz e Reconciliação, que assinalou os 25 anos da assinatura dos acordos de paz de Moçambique.

Após as cerimónias, dirigiu-se à sua residência particular, dispensado o guarda-costas, agente da polícia, que o acompanhava e a que tem direito por lei, referiu Inácio Dina à Lusa.

De acordo com os dados recolhidos pela PRM, Amurane terá sido alvejado cerca das 19:00 e o suspeito terá usado uma pistola.

“Quando a polícia ocorreu ao local, encontrou dois homens, um vereador e um empresário local que estavam a prestar socorro à vitima”, acrescentou o porta-voz da polícia.

Desde a altura da ocorrência que a PRM tem uma operação no terreno para deter o suspeito.

Segundo Inácio Dina, é prematuro adiantar qualquer eventual motivação do crime.

Fonte: Lusa

Anúncios