Cerca de 1.500 animais foram transferidos para a Reserva Especial de Maputo (REM), sul de Moçambique, nos últimos 43 dias, no âmbito de um processo de repovoamento daquela área especial, anunciou hoje a tutela.

O total inclui 450 impalas e 281 zebras, mas também outras espécies como boi-cavalo, cudo, inhala e piva, refere a Administração Nacional das Áreas de Conservação (ANAC), em comunicado.

Os animais são oriundos da Reserva Natural de Ezemvelo, na África do Sul, e da zona de Big Game Parks, na Suazilândia, no âmbito de uma doação dos governos daqueles países (Acordo Transfronteiriço dos Libombos) assinada em 2000.

Há ainda animais com origem no Parque Nacional da Gorongosa, na província central de Sofala, Moçambique.

“O processo de translocação de animais está a decorrer sem sobressaltos”, destaca a ANAC.

“A entrada de animais na reserva abre espaço para o aumento do número de turistas e, consequentemente, das receitas”, destaca o organismo, tendo em conta que “o ecoturismo foi considerado como prioridade” para o desenvolvimento das comunidades locais.

Com uma área estimada de 1.040 quilómetros quadrados, a Reserva Especial de Maputo conserva diferentes espécies como elefantes, bois-cavalos, cudos, crocodilos, inhalas, hipopótamos e diferentes espécies de aves, entre outras.

“Dados do censo realizado em 2015 apontam para a existência de mais de 4.200 animais de diferentes espécies, dos quais 650 são elefantes, um dos maiores atrativos”, mas também alvo de caça furtiva.

O repovoamento da reserva acontece “numa altura em que o governo moçambicano está a intensificar medidas de controlo” contra caçadores, realça a ANAC.

As ações incluem um aperfeiçoamento do quadro legal, fortalecimento e alocação de meios necessários para as equipas de fiscalização e melhoria das parcerias público-privadas, conclui.

Fonte: Lusa

Anúncios