Dolares_notas

A consultora Capital Economics considerou hoje que a crise da dívida soberana em Moçambique não deverá nem travar os investimentos externos nem afetar significativamente o crescimento económico do país, que deverá acelerar nos próximos anos.

“A economia de Moçambique está a virar a página, e esperamos que o crescimento vá acelerar nos próximos anos”, lê-se num relatório sobre as economias africanas.

No documento, enviado aos investidores e a que a Lusa teve acesso, os analistas da Capital Economics escrevem: “As dívidas de Moçambique ainda precisam de ser renegociadas, mas duvidamos que isto tenha um efeito significativo na economia real”.

Lembrando que no ano passado o crescimento “reduziu-se abruptamente” devido aos efeitos da dívida escondida na moeda nacional e na produção agrícola, que empurrou a inflação para cima dos 20%, os analistas dizem que “os investimentos estrangeiros mantiveram-se”, nomeadamente por parte da petrolífera italiana Eni, que assinou a decisão final de investimento num projeto de 7 mil milhões de dólares.

Os investimentos no setor do gás natural “vão fazer o crescimento económico acelerar nos próximos anos, com o pico do crescimento a acontecer quando a produção comercial começar, no princípio da próxima década.

A Capital Economics prevê que Moçambique cresça 4,5% este ano, crescendo 5% em 2018 e 5,5% em 2019, depois de no ano passado o país ter registado o mais baixo crescimento dos últimos 15 anos, com uma expansão da riqueza na ordem dos 3,3%.

Fonte: Lusa

Anúncios