maputo_katembe_ponte

Futura ponte ligando Maputo e Catembe

A Companhia de Desenvolvimento do Porto de Maputo (MPDC) investiu 800 milhões de dólares desde 2003 para aumentar a capacidade e a eficiência do empreendimento, manuseando atualmente 40 milhões de toneladas de carga, disse hoje o diretor-executivo da infraestrutura.

Falando sobre a importância das infraestruturas na economia moçambicana, durante uma conferência do Standard Bank, Osório Lucas declarou que o Porto de Maputo dispõe agora de capacidade para receber navios com 85 mil toneladas, depois de ter aumentado a sua profundidade para 14,3 metros, graças a trabalhos de dragagem no canal de acesso.

“O Porto de Maputo está agora em condições de competir ao nível da África Austral e ao nível internacional, como consequência dos trabalhos que têm vindo a ser realizados”, declarou Osório Lucas.

O diretor-executivo do MPDC realçou que a companhia apostou no incremento da capacidade de manuseamento e na eficiência do Porto de Maputo, mesmo na pior fase da crise económica que tem vindo a assolar o país nos últimos anos.

“É possível investir em tempo de crise, tal como demonstra a aposta no aumento da capacidade do porto”, declarou Osório Lucas.

O aumento do desempenho do Porto de Maputo, continuou, reforçou o estatuto do empreendimento como um importante ativo para a economia moçambicana.

“Só de taxa de concessão, já arrecadámos 150 milhões de dólares, desde que assumimos a infraestrutura e estamos entre os maiores contribuintes das receitas do Estado”, afirmou Osório Lucas.

Para o diretor-executivo do MPDC, a rentabilização das infraestruturas portuárias de Moçambique está condicionada à competitividade de fatores que influenciam os custos de operação, como estradas e recursos humanos.

Osório Lucas apontou o agravamento das tarifas de portagem na estrada entre Moçambique e África do Sul, que atingiu fortemente o transporte de carga, como uma medida que pode retrair a utilização dos portos moçambicanos por utentes dos países vizinhos.

“Temos de ser mais eficientes para que as nossas infraestruturas sejam apetecíveis na África Austral e no mundo”, acrescentou Osório Lucas.

Fonte: Lusa

Anúncios