Petroleo_gas_plataforma_a

A italiana Eni deverá apresentar, “dentro de semanas”, o negócio “multimilionário” em que venderá parte da sua posição numa das suas operações moçambicanas. O Financial Times revela que a americana ExxonMobil é a mais bem posicionada para ser a nova parceira numa operação, o bloco da Area 4, em que a portuguesa Galp também participa.

Segundo a publicação britânica, a Eni pretende encontrar um parceiro com forte capacidade técnica e financeira para desenvolver aquela área de exploração, localizada na Bacia da Rovuma, norte do país. A italiana tem uma posição de 50%, sendo que a restante parcela está nas mãos dos chineses da CNPC, da sul-coreana Kogas, da moçambicana Empresa Nacional de Hidrocarbonetos e da portuguesa Galp Energia, com 10%.

Ao FT, o presidente executivo da Eni, Claudio Descalzi, afirmou que a transacção deverá estar “muito próxima”. A Bloomberg também assinala que a indicação dada pelo CEO é a de que o fecho do negócio não está longe.

O Financial Times refere que a Exxon Mobil é a candidata que se afigura a nova parceria do bloco situado na Bacia de Rovuma em que a Eni é a operadora, tendo em conta que se adequa ao perfil esperado e tem já licenças de exploração no país. Moçambique é um mercado de exploração de gás natural liquefeito (LNG, na sigla inglesa).

O analista da Equita, Massimo Bonisoli, sublinha, citado pelo FT, que a venda de 20% da sua participação na Area 4 dará 1,7 mil milhões de euros à petrolífera italiana. Ou mais, se o objectivo for passar o controlo das operações para o parceiro.

Conforme apresentado hoje, a empresa italiana tem um plano de desinvestimento de entre 5 e 7 mil milhões de euros até 2020, onde se incluirá esta transacção.

A Eni apresentou esta quarta-feira resultados acima do esperado, com um lucro ajustado de 456 milhões de euros, acima da estimativa de 225,9 milhões esperada pelos analistas compilados pela Bloomberg. È o primeiro resultado líquido positivo em 18 meses, recorda a Reuters.

Fonte: jornaldenegocios.pt

Anúncios