moza_banco_dependencia

Os accionistas do banco moçambicano Moza decidiram aprovar um aumento de capital social no montante de 8,170 mil milhões de meticais (cerca de 116 milhões de dólares), de acordo com um comunicado divulgado segunda-feira no final da Assembleia-Geral.

O comunicado adianta que a Assembleia-Geral tinha como ponto único deliberar sobre a proposta de aumento de capital social da instituição, enquadrando-se a reunião no cronograma do processo de capitalização do banco que havia sido apontado pelo Banco de Moçambique no momento da intervenção.

A nota divulgada conclui informado que o passo a seguir será “o processo de subscrição e realização do aumento de capital segunda-feira aprovado.

O Banco de Moçambique decidiu em Setembro de 2016 suspender os membros do Conselho de Administração e da Comissão Executiva do Moza devido à degradação da situação financeira do banco, em que o rácio de solvabilidade havia caído abaixo do mínimo exigido.

Em Dezembro de 2016 o Banco de Moçambique anunciou ter capitalizado o Moza em oito mil milhões de meticais (111 milhões de dólares), “para impedir o colapso do sistema financeiro moçambicano.”

O governador do Banco de Moçambique, Rogério Zandamela, afirmou na altura que “se não se tivesse capitalizado o Moza Banco teríamos um terramoto, um maremoto, porque haveria uma corrida sem precedentes dos depositantes e dos credores.”

O Moza (anteriormente conhecido por Moza Banco), que iniciou a actividade em 2008, é controlado em 51% pela Moçambique Capitais, sendo os restantes 49% detidos pelo português Novo Banco, instituição que ficou com os activos considerados de qualidade do falido Banco Espírito Santo.

Fonte: Macauhub

Anúncios