bicicleta_electronica_2017

– A bicicleta inteligente de LeEco.

Na CES (Consumer Electronics Show), a maior feira de eletrônicos do mundo, quase tudo é reinventando. De purificadores de ar a cámaras de fotografia, passando por impressores e computadores. Nas últimas edições, o transporte – com os carros conectados em destaque – foi um dos assuntos principais. No entanto, a bicicleta, tanto para diversão quanto como opção para mobilidade urbana, ainda não havia entrado na pauta como se esperava. Nesta edição, a história mudou: a Xiaomi, uma das empresas chinesas que mais surpreende pelos seus produtos diversificados e inovadores, apresentou um modelo pensado para a cidade. Já a LeEco, também chinesa e recém-chegada ao Vale do Silício – onde tem vendido os seus televisores e celulares de baixo custo e alta qualidade – mostrou na CES a sua visão do mundo sobre duas rodas.

A proposta é diferente de tudo o que se viu até agora pela sua própria concepção inicial. Em vez de modificar algo que existe ou criar parcerias com marcas do mundo do ciclismo, com fez a Samsung com a Specialized, a LeEco criou um produto começando do zero. Continua a ser uma bicicleta, é claro, mas adaptada aos novos tempos.

Para começar, ela tem um sistema operacional próprio, o Bike OS, uma adaptação do Android. Mas, ao contrário de outros modelos, ela não se conecta ao celular: tem o seu próprio computador integrado no guidão. A tela pequena, de 4 polegadas e com bateria de 6.000 miliamperes, quase como a de um tablet, fornece dados em tempo real.

Os mapas serão familiares para quem já teve um Nokia, porque são os mesmos, agora comercializados como Here. Eles carregam rapidamente e consomem menos dados que outras opções. O mais surpreendente é o peso: apenas oito quilos no modelo de rua e dois a mais no de montanha. Ambos têm 11 mudanças.

O fabricante ainda não anunciou a data de lançamento, nem o preço exacto. A única informação é que ela estará disponível em meados de 2017 nos Estados Unidos. O quadro, de fibra de carbono, passa dos 1.000 dólares com facilidade.

O console central tem uma bússola, acelerômetro, barômetro – para ter dados próprios sobre as condições do ambiente – luzes e buzina, assim como pisca-piscas ocultados na manopla. Um outro acessório extra inesperado é a tecnologia sem fio ANT, utilizada nos sensores de pulso das academias mais sofisticadas. Uma maneira de guardar os dados de cada viagem, seja a trabalho, desporto ou um simples passeio.

Fora do circuito comercial, a SpeedX chamou a atenção com a Unicorn, uma bicicleta super leve que ganhou vida graças ao site de crowdfunding Kickstarter. O pedido inicial era de 50 mil dólares. O valor arrecadado foi cinco vezes maior.

Anúncios