Renamo_homens_armados

Depois de uma trégua de sete dias, segue-se agora outra de dois meses. Afonso Dhlakama, líder da oposição moçambicana, anunciou esta terça-feira uma trégua de 60 dias no conflito que opõe a Renamo e o Governo de Moçambique.

“Esta trégua destina-se a criar um ambiente propício ao desenvolvimento das conversações em Maputo, numa atmosfera de paz e tranquilidade para os dois lados”, explicou Afonso Dhlakama, para quem, apesar de “alguns pequenos incidentes”, “a trégua de sete dias correu bem: “Sendo assim, anuncio a extensão da trégua por 60 dias, até ao dia 4 de Março”, disse Afonso Dhlakama, durante uma conferência de imprensa por telefone em Maputo, uma vez que vive entrincheirado nas montanhas de Gorongosa (centro).

Este anúncio segue-se a uma série de conversas telefónicas entre Afonso Dhlakama e o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi.

“Eu continuo a dizer que as forças da Renamo não irão provocar as posições das forças governamentais”, assegurou.

Por sua vez, o Presidente de Moçambique anunciou esta segunda-feira que o anúncio da extensão da trégua é da responsabilidade da Renamo, na medida em que “o Governo não cometeu qualquer ataque”. A confiança “está começar a criar-se, a construir-se, e vai ser produtiva”, acrescentou, de acordo com a televisão privada STV.

Governo e Renamo estiveram envolvidas numa violenta guerra civil entre 1976 e 1992, em que terão morrido cerca de um milhão de pessoas.

Nos últimos dois anos, o Norte e o Centro de Moçambique têm vivido em clima de instabilidade, já que a Renamo se recusou a aceitar os resultados das eleições de 2014.

 

Anúncios