image

O camião que atropelou várias pessoas numa feira natalina de Berlim. REUTERS

A chanceler (primeira-ministra) alemã, Angela Merkel, confirmou que o ataque desta segunda-feira contra uma feira natalina em Berlim, que causou 12 mortos e 48 feridos, foi “um atentado terrorista” e que o seu suposto autor “é um refugiado que havia pedido proteção” na Alemanha. As primeiras informações da polícia já apontavam para essa hipótese, pois o camião de grande tonelagem que atropelou cidadãos “foi conduzido deliberadamente para a multidão”; o verdadeiro condutor habitual do veículo foi assassinado a tiros, e a ação era muito similar à perpetrada em julho por terroristas jihadistas em Nice (França). A rádio pública de Berlim informa que o autor do crime é um paquistanês de 23 anos, com antecedentes por delitos leves, que havia pedido asilo na capital alemã no começo deste ano. “Com os dados que temos, precisamos partir do princípio de que se trata de um ato terrorista”, afirmou Merkel.

“As investigações policiais sobre o suposto atentado terrorista na Breitscheidplatz prosseguem a toda velocidade e com o cuidado necessário”, disse a polícia local pelo Twitter. As autoridades devem conceder entrevista nesta terça-feira para apresentar detalhes sobre o ataque em que 60 pessoas foram atropeladas pelo camião, que percorreu 50 metros entre os quiosques de alimentos e presentes da tradicional feira de Natal.

As forças de segurança alemãs mantiveram desde o primeiro momento uma grande cautela na hora de divulgar qualquer dado ou qualificativo sobre a natureza do ataque noturno na calçada da Breitscheidplatz, no centro da capital alemã. Mas o próprio ministro alemão do Interior, Thomas de Maizière, inclinava-se pela hipótese terrorista durante a madrugada, após receber os primeiros dados confiáveis sobre o ataque: “Ainda não quero usar a palavra atentado, embora muitos elementos apontem nessa direção”. A Procuradoria Geral Alemã assumiu as investigações.

Os ministros do Interior dos 16 Estados alemães decidiram, em reunião nesta terça-feira com De Maizière, o ministro nacional da pasta, manter abertas as tradicionais feiras de Natal no país, mas com um reforço das medidas de segurança se for necessário. Porém, as autoridades do Estado de Berlim pediram às empresas responsáveis pelas feiras natalinas da capital que não funcionem nesta terça, “em consideração às vítimas e seus familiares”.

Anúncios