image

Vladimir Putin foi eleito, pelo quarto ano consecutivo, a personalidade mais poderosa do mundo pela revista Forbes. O presidente russo de 64 anos ficou à frente do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, e da chanceler alemã Angela Merkel na classificação de 2016.

“Do seu país natal até a Síria, passando pelas eleições americanas, o dirigente russo continua a atingir os seus objetivos”, afirma a Forbes sobre Putin. Já Donald Trump, que ocupa o segundo lugar e substituirá Barack Obama na Casa Branca no dia 20 de janeiro, “parece ser impermeável aos escândalos, tem as duas câmaras do Congresso a seu favor e uma fortuna pessoal de bilhões”, enfatiza a publicação.

A chanceler Angela Merkel, no comando da Alemanha há onze anos e candidata a um novo mandato em 2017, perde uma posição em relação ao ano passado e chega em terceiro lugar. A lista da Forbes coloca o presidente chinês Xi Jinping em quarto, seguido pelo papa Francisco.

Merkel é a primeira mulher de apenas três que figuram nas primeiras 20 posições da classificação. A ela se somam Janet Yellen, presidente do Federal Reserve, em sexto lugar, e a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, no posto de número 13.

Os dirigentes do setor privado que figuram na lista são todos americanos. O cofundador da Microsoft Bill Gates, primeira fortuna mundial, chega em sétimo lugar, seguido por Larry Page, cofundador da Alphabet (empresa do Google). Em seguida, está o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, em 10° lugar, Jeff Bezos, da Amazon (14°), e o investidor Warren Buffett (15°).

Aos 86 anos, Buffet é um dos decanos da classificação, ao lado do magnata de Hong Kong, Li Ka-shing (88 anos, 33° lugar) e o milionário australiano dos meios de comunicação Rupert Murdoch (85 anos, 35° lugar). O presidente do grupo petroleiro ExxonMobil, Rex Tillerson, que Donald Trump acaba de designar como secretário de Estado, aparece no posto número 24.

Na semana passada, a revista Time escolheu Trump como “Personalidade do Ano” de 2016 por sua impressionante vitória na eleição presidencial americana. Hillary, a ex-secretária de Estado que quase se tornou a primeira presidente mulher da história dos Estados Unidos, ficou em segundo lugar na classificação da revista.

Fonte: AFP

Anúncios