OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Cidade de Maputo/Foto EGMatos

Portugal vai voltar a ser o maior expositor da Feira Internacional de Maputo (Facim), num certame que o Governo moçambicano quer aproveitar como uma oportunidade para vincar que a crise económica no país é transitória.

“Portugal terá o maior pavilhão, não há uma alteração na presença dos nossos expositores mais assíduos, apesar de a Facim realizar-se num contexto de várias contingências desfavoráveis”, afirmou, hoje em conferência de imprensa, João Macaringue, presidente do Instituto para a Promoção das Exportações de Moçambique (IPEX), entidade promotora da feira, sobre o evento a decorrer de 29 de agosto a 04 de setembro.

No ano passado, o Pavilhão de Itália recebeu 60 inscrições e foi o maior da exposição, uma posição habitualmente ocupada por Portugal.

Dados da listagem dos expositores na Facim, a que a Lusa teve acesso, indicam que, na próxima edição, o Pavilhão de Portugal conta com 31 empresas inscritas, a que se somam duas associações, abaixo das 42 firmas representadas em 2015 e das 50 em 2014.

Além do Pavilhão de Portugal, dezenas de empresas de capitais portugueses participam noutros espaços de exibição na Facim. Segundo Macaringue, 33 países estrangeiros já confirmaram a sua presença na Facim, a maioria oriunda dos países da União Europeia, contra 31 no ano passado.

No total, 630 empresas estrangeiras vão participar no evento contra 680 em 2015, acrescentou o presidente do IPEX. “Contrariamente aos anos anteriores, o espaço solicitado pelos expositores estrangeiros reduziu, devido à conjuntura internacional, reduzindo também o número de empresas estrangeiras que vão expor”, declarou João Macaringue.

Assinalando que a Facim quer “vincar a sua marca de maior montra nacional que diz presente mesmo em períodos de crise”, Macaringue adiantou que estarão no local 2.250 empresas moçambicanas contra 2.350 na edição do ano passado e são esperados 87.500 visitantes contra 84.900 em 2015.

Sob o lema “Promovendo ligações económicas com potencial para exportações”, a Facim, que vai na sua 52.ª edição, vai acolher 23 seminários, incluindo um da União Exportadores da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Sobre os receios de que a Facim podia ser ensombrada pela crise económica e militar que afeta Moçambique, João Macaringue frisou que o evento será uma oportunidade para demonstrar que as contingências que o país atravessa são transitórias. A Facim vai decorrer em 12 pavilhões, numa área total de 53.650 metros quadros, contra 47 mil metros quadros ocupados em 2015.

As intenções de investimento em Moçambique caíram 48% no primeiro semestre de 2016 comparativamente ao mesmo período do ano passado, com Portugal no quinto lugar dos principais investidores, mas com uma queda de 80%, bastante superior à média. Todas as formas de investimento sofreram descidas acentuadas, com o estrangeiro a baixar 54% e o nacional 56%.

No caso de Portugal, a diminuição foi ainda maior, com 17 projetos aprovados pelo CPI, totalizando apenas 14 milhões de dólares (12 milhões de euros), contra os 34 no mesmo período de 2015, que somavam 70 milhões de dólares (63 milhões euros), uma queda de 80%.

A economia moçambicana está a ser atingida pelo abrandamento do crescimento, com a revisão em baixa dos 7% inicialmente programados pelo Governo em 2016 para 4,5%, forte desvalorização do metical e subida da inflação.

As exportações diminuíram, em resultado de uma fraca produção interna e da descida dos preços das matérias-primas, um quadro agravado pelo impacto das calamidades naturais e pela crise política e militar entre Governo e Resistência Nacional Moçambicana (Renamo).

Em abril, foram revelados avultados empréstimos garantidos pelo Governo, entre 2013 e 2014, de 1,4 mil milhões de dólares (1,2 mil milhões de euros), fazendo disparar a dívida pública para 86% do Produto Interno Bruto.

Fonte: Lusa

Anúncios