Filipe-Nyusi_gabinO Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, considerou hoje em Maputo que a apetência pelos recursos naturais da África Austral é uma ameaça à paz e segurança na região, defendendo a consolidação da cooperação na área da defesa.

“Os desafios impostos pelos processos eleitorais, o fenómeno do extremismo, o crime organizado transnacional e a crescente apetência pelos recursos da nossa região, entre outros, exigem um debate profundo e estratégico”, afirmou Nyusi, falando na abertura da 18.ª Sessão do Comité Ministerial do Órgão de Defesa e Segurança da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Face às ameaças à paz e segurança na SADC, prosseguiu Filipe Nyusi, os Estados da África Austral devem fortalecer os mecanismos de mediação, prevenção de conflitos e diplomacia preventiva, operacionalização da Força Regional em Estado de Alerta e as respetivas estruturas de comando e controlo, no âmbito da Força Africana em Estado de Alerta.

A consolidação do Centro Regional de Formação em Manutenção da Paz e o aperfeiçoamento do Sistema Regional de Aviso Prévio são também ações essenciais para proteger a região das ameaças à paz e segurança, acrescentou o chefe de Estado moçambicano.

“A consolidação da arquitetura regional de paz e segurança é um objetivo que merece a nossa atenção permanente”, frisou Filipe Nyusi.

Referindo-se a um dos temas da reunião, a violência contra a mulher na SADC, Nyusi exortou os Estados da África Austral a promoverem políticas destinadas à erradicação deste problema, enfatizando que “proteger a mulher é proteger uma nação inteira”.

“Nada será capaz de dignificar melhor a mulher, se nós não emanciparmos a nossa mentalidade e atitude em relação à mulher”, enfatizou o chefe de Estado moçambicano.

Por seu turno, Tax não fez nenhuma menção à situação militar em Moçambique, que tem sido assolado pela violência militar opondo as Forças de Defesa e Segurança e o braço armado da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido de oposição, mais concentrada na região centro.

Durante a 18.ª Sessão do Comité Ministerial do Órgão de Defesa e Segurança da SADC, além da violência de género, os ministros da área discutem a situação da defesa e segurança na região e Moçambique vai passar a presidência do órgão à Tanzânia.

Tax não fez nenhuma menção à situação militar em Moçambique, que tem sido assolado pela violência militar opondo as Forças de Defesa e Segurança e o braço armado da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido de oposição, mais concentrada na região centro.

Durante a 18.ª Sessão do Comité Ministerial do Órgão de Defesa e Segurança da SADC, além da violência de género, os ministros da área discutem a situação da defesa e segurança na região e Moçambique vai passar a presidência do órgão à Tanzânia.

Fonte: Lusa

Anúncios