imageMoçambique vai participar nos Jogos Olímpicos com seis atletas, levando na bagagem a ambição de conseguir a passagem à eliminatória seguinte das modalidades em que vai competir, disse à Lusa o diretor-técnico do Comité Olímpico de Moçambique (COM).

Após meses de competição em busca de resultados mínimos, Moçambique tem garantida as participações de Kurt Couto, nos 400 metros barreiras em atletismo, a sua quarta presença em Jogos Olímpicos, de Marlon Acácio, no judo, e dos canoístas Mussa Camaune e Joaquim Lobo, afirmou Benedito Jonas.

Segundo Jonas, com vagas asseguradas a convite das respetivas federações internacionais, vão também estar presentes no Rio de Janeiro os nadadores Igor Mogne, que a nível de clubes representa o Sporting Clube de Portugal, e Jannah Sonnenachein.

“A nossa ambição é que, pelo menos, dois atletas transitem para a eliminatória seguinte, temos grandes expetativas em relação à canoagem, pelos últimos resultados que os nossos dois canoístas registaram, mas também temos esperanças nas outras modalidades em relação à transição, no mínimo, para a fase seguinte,”, declarou Benedito Jonas.

O dirigente desportivo considerou um avanço a composição que vai representar o país nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em relação a Londres2012, quando Moçambique qualificou apenas Kurt Couto, enquanto os restantes tomaram parte na prova através de convites endereçados pelas federações das respetivas modalidades.

No total, a delegação moçambicana ao Rio de Janeiro vai integrar 15 pessoas, incluindo técnicos e membros federativos, e terá como chefe de missão Valige Tauabo, presidente da Federação Moçambicana de Ténis (FMT), e parte no próximo dia 24 para o Brasil.

De acordo com o chefe do gabinete técnico do COM, a participação da delegação moçambicana nos jogos do Rio de Janeiro vai custar 11 milhões de meticais (150 mil euros).

Falando na cerimónia oficial do início da contagem decrescente para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, o presidente do COM, Marcelino Macome, enfatizou que a prova é cada vez mais exigente e com métodos de treino cada vez mais rigorosos.

“Ninguém pode garantir, à partida, que vai ganhar, porque os Jogos Olímpicos são cada vez mais exigentes e as provas são muito duras e, infelizmente, países como Moçambique não podem proporcionar a preparação e competição de ponta que as verdadeiras potências olímpicas proporcionam”, disse Marcelino Macome.

A primeira participação de Moçambique nos Jogos Olímpicos foi em 1980 em Moscovo e o país conta com apenas duas medalhas, uma de ouro, conquistada por Lurdes Mutola, nos 800 metros em atletismo Sidney2000, e uma de bronze, que a mesma atleta ganhou em Atlanta em 1996.

Fonte: Lusa

Anúncios