O chefe da missão técnica do Fundo Monetário Internacional (FMI) que se encontra em Moçambique afirmou quarta-feira em Maputo ter sido já possível obter “progressos sólidos” nas reuniões que têm estado a ser mantidas com as autoridades moçambicanas, de acordo com a imprensa local.

Esta missão, que chegou a Maputo no passado dia 16 do corrente, deveria ter ocorrido em Abril passado mas acabou por ser adiada depois de o governo de Moçambique ter revelado ter sido concedido o aval do Estado a empréstimos de mais de 1,4 mil milhões de dólares contraídos por empresas públicas.

No final de uma reunião com o primeiro-ministro e com o ministro das Finanças, o chefe da missão, Michel Lazare, limitou-se a dizer terem sido obtidos progressos no que se refere à avaliação da economia do país e às futuras negociações entre Moçambique e o FMI.

O ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleiane, revelou este mês no parlamento moçambicano que a dívida pública do país ascende a 11,6 mil milhões de dólares, dos quais 9,8 mil milhões de dólares de dívida externa e o restante de dívida interna, montante que representa 70% do Produto Interno Bruto.

Fonte: Macauhub/MZ

Anúncios