Mia_Couto_Julian_Fuks

Mia Couto e Julián Fuks(Divulgação/Facebook)

Apesar de ser a mais solitária das artes, a literatura também é feita pela bela parceria entre mentores e discípulos. A mais nova dupla, agora patrocinada pela marca de relógios Rolex, é formada pelo moçambicano Mia Couto (1955) e Julián Fuks (1981). Mia e Fuks são os primeiros escritores moçambicano e brasileiro, respectivamente, seleccionados a participar no programa Mentors & Protégé, que remunera artistas desde 2002.

Um comité de críticos e editores selecciona quatro finalistas para cada uma das sete categorias – além de literatura, há mestres e discípulos de artes visuais, arquitectura, cinema, dança, música e teatro. Há então uma entrevista com o mentor – durante a qual Fuks conheceu pessoalmente Mia Couto, há cerca de um mês, e também foi escolhido e convidado a passar duas semanas nos Açores, ilha que é território de Portugal. A ideia é que cada dupla trabalhe e mantenha contacto por cerca de um ano. “Foi um período de diálogo intenso, em que pude expor ao Mia as filigranas do meu novo projecto e discutir cada um dos seus elementos”, diz Fuks.

Fuks, que foi seleccionado pela revista Granta como um dos vinte melhores jovens escritores brasileiros, está a escrever um romance, seu terceiro, que vai tratar da violência no ambiente urbano. “Quero abordar algo da violência que se vê numa cidade como São Paulo, mas não a exercida pelo outro, e sim a que o outro sofre, a brutalidade que o vitimiza de tantas maneiras”, explica. Um dos cernes do livro, segundo o autor, será a ocupação (real) do hotel Cambridge, no centro da cidade.

O brasileiro diz acreditar que a fase de concepção e elaboração de um livro pode ganhar muito quando parte de um diálogo como esse, proposto pelo programa. “Sempre procurei fugir à solidão nessas outras etapas do processo criativo, e agora terei o auxílio do Mia Couto – não poderia imaginar melhor companhia.”

O Mentors & Protégé “tem como objectivo principal transmitir o conhecimento artístico de uma geração para outra e perpetuar a arte”, de acordo com a organização.

Fonte: Estadão

Anúncios