Banco_mundial

O Banco Mundial revelou na terça-feira um relatório em que admite que a evolução económica de Moçambique, onde está o Presidente da República portuguesa em visita oficial, “abrandou para o ritmo mais lento desde 2009”, após passar por anos consecutivos de crescimento acelerado.

O PIB deve desacelerar para 5,8% devido ao declínio contínuo nos preços das matérias-primas exportadas, aos efeitos da seca, e a um maior aperto fiscal, revela o relatório citado pela Rádio ONU, entitulado “Actualidade Económica de Moçambique”.

Apesar de as perspectivas económicas do país permanecerem sólidas, o relatório sugere que uma resposta política robusta é vital para gerir as pressões de curto prazo e preparar as bases para o crescimento futuro.

De acordo com a economista-sénior para Moçambique do Banco Mundial, Shireen Mahdi, “as pressões de curto prazo em 2016 apontam para a importância de reequilíbrio da posição externa, reconstrução de reservas internacionais, além de assegurar decisões finais de investimento para o desenvolvimento dos campos de gás da bacia do Rovuma”.

Recuperação

Os baixos preços das matérias-primas e a fraca oferta entre os parceiros comerciais, juntamente com a seca na região, foram alguns dos factores que contribuíram para a redução do crescimento do PIB de 7,4% para 6,3% em 2015. A queda dos níveis de investimento e o aumento da dívida pública agravaram ainda mais a situação.

Segundo a publicação, o ambiente externo adverso deve persistir em 2016. O relatório prevê que o crescimento do PIB deve desacelerar ainda mais, para 5,8%, devido ao declínio contínuo nos preços das matérias-primas exportadas, aos efeitos da seca, e a um maior aperto fiscal. A recuperação deve vir em 2017, quando o PIB deve chegar a mais de 7%.

Fonte: economico.pt

Anúncios